quarta-feira, 14 de março de 2012

[denovo] poiesis

 Белое на белом, Казимир Малевич
(Branco sobre branco, Kazimir Malievitch)

poesia é mais que rimar
meia-dúzia de vocábulos,
não é um mero brincar
com as palavras,
tampouco expressão
dos sentimentos.

poesia é quando você olha
para o papel e não consegue
deixá-lo em branco.


no dia da poesia...
.

16 comentários:

  1. Tenho certeza q já li essa, em algum lugar.
    será q foi no livro Das ideias?
    Ou foi por aqui mesmo, no blog?
    Não consigo recordar, escritor.Recorde aí.

    ao final, poesia é o libertar de si mesmo
    é tb a liberação do que te aprisiona,
    e isso é lindo: fazer poesia te faz livre, sugere romantismo, mas é real.
    e quando ela brota, brota!

    Achei o máximo a obra "Branco sobre o branco". Malievitch me fez rir com ela; cara engraçado e inteligente, adoro essa combinação. Ele foi muito feliz nesta "arte". rs
    o seu poema e Mali me sugeriu uma outra "arte", boba e óbvia, eu sei, mas meio veio num primeiro momento a mente: "Vermelho sobre o branco", bem a cara da poesia também, pelo menos a minha (poesia).

    L.

    ResponderExcluir
  2. o poema já estava tanto no blogue, quanto no livro. e fico contente que tenha gostado...

    ResponderExcluir
  3. pra tu ver como as coisas não acontecem por acaso, rs, a última vez que peguei o das ideias acabei lendo este poema também e logo após vi uma atualização do humor inteligente que só lembrei de você! e desse poema, claro rs.

    "escrever é retirar-se. não para a sua tenda para escrever, mas dá sua própria escritura. Cair longe da sua linguagem, emancipá-la ou desampará-la, deixá-la caminhar sozinha e desmunida. Abandonar a palavra." Jacques Derrida

    :)

    ResponderExcluir
  4. mia e sua ideia de que o acaso não existe rs

    e que honra ser lembrado pelas palavras de derrida :)

    ResponderExcluir
  5. poesia é escrever o q o coração sente.

    temente
    inconsciente
    quente

    ou até demente.

    sensível e estranho, aquele que no papel coloca seu coração em palavras.

    ResponderExcluir
  6. qd leio um poema ou faço um, penso:
    a sensibilidade me é mais aguda, a daquele poeta tb? pq uns não gostam e outros a veneram? Uns nem prestam atenção, outros a tem o tempo todo em si.

    Gosto é igual... e ninguém explica, quer dizer, a psicologia deve fazê-la com alguma linha de estudo q não conheço. Tem, Caio?
    mas me indago, acho poesia o máximo dos meus máximos, mas em momentos obscuros a renego e questiono sua utilidade, ainda q eu saiba q ela tem um papel fundamental em minha estrada. Paradoxo estendido e insano.

    (In)utilidade da arte?
    me assombra.
    o q me é estranho é a sensibilidade diferenciada entre o humano comum e o poeta.
    Seu papel, Caio, q quase nunca está branco, é belo e doce.
    vá saber pq, hem?

    ResponderExcluir
  7. não me canso do teu blog, parabéns caio! :)
    mais um anônimo para você tentar descobrir quem é! rs

    ResponderExcluir
  8. por alguma razão estou gostando disso aqui, ainda que seja difícil conversar com alguém que não se sabe quem é, rs.

    ResponderExcluir
  9. Eu admiro a inspiração e até viajo quando leio um, mas nunquinha que consegui escrever um. Acho muito difícil :D
    É o mesmo dom de escrever histórias? Você gosta?

    ResponderExcluir
  10. parabéns ao poeta!

    ResponderExcluir
  11. Poesia é quando você olha para outra poesia. Atenta-se. Instiga-se. E cria! Felizes são os dias de poesia. E pra completar uma pobre rima: ria!

    ResponderExcluir
  12. o dom, se é que existe isso, é o mesmo, ou pelo menos parecido. agora a técnica... essa são outros quinhentos.

    ResponderExcluir
  13. se me permite poeta..
    "o poema tem que ser um relâmpago. Ele tem que iluminar a tua cara, bater na tua cara como uma coisa vital" f.g.

    ResponderExcluir